PLANO DE CONTINGÊNCIA

COVID-19: mEDIDAS DE PREVENÇÃO

Vivemos tempos únicos que pedem medidas únicas para prevenção e controle da pandemia COVID-19, para segurança de todos.
 
Assim, definimos procedimentos e medidas de prevenção e de controlo, através da criação de Planos de Contingência (para viagens internacionais e para viagens nacionais) claros e transparentes.
 
Nesses planos, poderá ver esclarecidas todas as questões relacionadas com a Pandemia COVID-19, inclusivamente:
  • Em que circunstâncias não deve viajar;
  • O que deve fazer antes de viajar;
  • Como pode proteger-se durante as viagens;
  • Que alterações podem sofrer os programas;
  • O que pode acontecer em situações de risco;
  • O que acontece caso esteja inscrito numa viagem que tenha de ser cancelada.

Para além da certificação BIOSPHERE Responsible Tourism, assumimos com o Turismo de Portugal o compromisso “Clean & Safe” e cumprimos o protocolo #SaveTravels da World Travel & Tourism Council.

Estamos comprometidos com uma Política de Turismo Responsável, implementamos medidas que englobam diferentes áreas (não apenas a ambiental, como se possa pensar). Isso inclui também medidas que visam a segurança de todos: viajantes, colaboradores da Macro Viagens, fornecedores e populações locais.

Recomendamos que leia atentamente os nossos Planos de Contingência COVID-19 antes de se inscrever em qualquer programa da Macro Viagens.

Perguntas frequentes - VIAGENS INTERNACIONAIS

COVID-19 é a designação dada pela Organização Mundial da Saúde para identificar a doença provocada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2. Este novo coronavírus foi identificado pela primeira vez em dezembro de 2019 na China, na cidade de Wuhan. Os casos iniciais da doença COVID-19 foram associados a um mercado em Wuhan (Wuhan’s Huanan Seafood Wholesale Market). O mercado foi encerrado a 1 de janeiro de 2020, mas a doença foi progredindo desencadeando uma epidemia mundial ou pandemia.

COVID-19 transmite-se pessoa-a-pessoa por contacto próximo com pessoas infetadas pelo SARS-CoV-2 (transmissão direta), ou através do contacto com superfícies e objetos contaminados (transmissão indireta).

A transmissão por contacto próximo ocorre principalmente através de gotículas que contêm partículas virais que são libertadas pelo nariz ou boca de pessoas infetadas, quando tossem ou espirram, e que podem atingir diretamente a boca, nariz e olhos de quem estiver próximo.

As gotículas podem depositar-se nos objetos ou superfícies que rodeiam a pessoa infetada e, desta forma, infetar outras pessoas quando tocam com as mãos nestes objetos ou superfícies, tocando depois nos seus olhos, nariz ou boca.

Existem também evidências sugerindo que a transmissão pode ocorrer de uma pessoa infetada cerca de dois dias antes de manifestar sintomas.

Os sintomas mais frequentes associados à infecção pelo COVID-19 são:

  • Febre (temperatura ≥ 38.0ºC)
  • Tosse
  • Dificuldade respiratória (ex: falta de ar)

Também pode surgir dor de garganta, corrimento nasal, dores de cabeça e/ou musculares e cansaço.

Números à data de hoje (6/Junho/2020) em Portugal e nos diferentes países para onde temos viagens:

  • Portugal: 33.969 casos / 1.465 mortes
  • Índia: 239.644 casos / 6.672 mortes
  • Sri Lanka: 1.810 casos / 11 mortes
  • Nepal: 3.235 casos / 13 mortes
  • Butão: 48 casos / 0 mortes

Neste momento, não é possível viajar para os países para onde temos viagens (Índia, Sri Lanka, Nepal e Butão).

A partir de 1 de Agosto de 2020 será possível viajar para o Sri Lanka.

Vamos actualizando as informações relativas aos restantes países (para já, ainda sem previsão).

Sri Lanka: 1) Visto disponível apenas on-line (USD 100); 2) É obrigatório um seguro de viagem que inclua hospitalização e apresentação de bilhete válido de regresso; 3) Para poder embarcar, no país de origem, deve apresentar um teste negativo PCR feito por um laboratório acreditado com no máximo 72 horas de antecedência; 4) Todos os viajantes são testados à chegada (teste gratuito); 5) Ao 10º ou 12º dia de permanência no país é obrigatório novo teste (gratuito); 6) Poderá ser feito um novo teste à saída, dependendo a companhia aérea ou destino final.

Para já, ainda não existem informações oficiais relativamente à Índia, Nepal e Butão.

Caso seja necessário um teste PCR COVID-19 para entrar no país de destino, deve marcar e fazer o teste numa entidade acreditada. Deve garantir que recebe o resultado antes de fazer o check-in presencial.

Para fazer o teste, deverá obter uma prescrição médica. O teste é comparticipado a 100% se for prescrito pelo Delegado de Saúde ou médico ARS. A Medis Advancecare e Allianz comparticipam este teste a 100%. Para marcar, deve contactar o 220125001 em todo o país (excepto Lisboa – deve contactar o 800910219).

Caso esteja inscrito numa viagem que tenha e ser cancelada ou adiada por motivos relacionados com o surto COVID-19, poderá optar por transferir a sua inscrição para outro programa com lugares livres ou por um voucher da totalidade do valor pago com validade até 31/Dez/2021. Se não usar esse voucher até à data limite, será reembolsado num prazo de 14 dias. Caso esteja desempregado, poderá requerer o reembolso imediato até 30 Setembro 2020. Nos Termos e Condições, pode consultar as informações detalhadas.

  • Se tiver mais de 65 anos;
  • Se tiver alguma doença cardiovascular, respiratória, diabetes, hipertensão, cancro e/ou outras doenças crónicas;
  • Se tiver sido submetido a tratamentos evasivos (ex. para Cancro);
  • Se estivergrávida;
  • Se tiver sido diagnosticado com COVID-19 e não esteja recuperado;
  • Se tiver sintomas como tosse, cansaço, dificuldade em respirar e/ou febre nos dias anteriores à viagem;
  • Se tiver estado em contacto com alguma pessoa infectada por COVID-19 nos 14 dias anteriores à data de partida;
  • Se tiver viajado (ou pretenda viajar) para uma área de transmissão comunitária activa identificada pela Organização Mundial de Saúde nos 14 dias anteriores à data de partida;
  • Se tiver estado numa instituição de saúde onde são tratados doentes com COVID-19 nos 14 dias anteriores à viagem.

Caso já esteja inscrito e ocorra alguma destas situações, deverá informar imediatamente o responsável da Macro Viagens, cancelando a sua viagem (aplicam-se os Termos e Condições que podem ser consultados aqui).

Aplicam-se as mesmas condições de cancelamento tanto para COVID-19, como para outras situações. Para minimizar essa questão, poderá subscrever um seguro de cancelamento que cubra essa situação. Leia atentamente a cobertura da apólice pretendida e as condições de subscrição (normalmente o Seguro de Cancelamento deve ser subscrito na mesma altura em que faz o pagamento da inscrição).

  • Máscaras de uso social para utilizar no dia-a-dia, durante todo o programa de viagem. As máscaras devem cumprir as recomendações da DGS.
  • Álcool gel tamanho de bolso que tenha pelo menos 70% de álcool para utilizar sempre que não tiver acesso a água e sabão.
  • Lenços de papel.
  • Pequenos sacos plásticos de preferência biodegradáveis como estes;
  • Saco-cama (caso o programa inclua transportes noturnos como autocarro ou comboio, para evitar usar a roupa de cama / manta disponibilizada);
  • Toalhetes de limpeza e desinfeção rápida à base de álcool ou outro desinfectante com ação contra o vírus (ação virucida)
  • Termómetro de medição de temperatura corporal;
  • Saco específico para guardar roupa suja, com sistema de fecho. Este deverá ser guardado na sua bagagem principal;
  • Calçado para usar exclusivamente dentro do quarto, deixando os sapatos do lado de fora do quarto;
  • Opcional:
    • Máscaras cirúrgicas;
    • Luvas descartáveis.

Os líderes de viagem acompanham o grupo levam material e equipamento para uso pessoal e terão disponível 1 kit de proteção individual por viajante com 1 máscara cirúrgica e 1 par de luvas descartáveis, que deve ser solicitado em caso de emergência, se existir suspeita por contaminação e o viajante não tiver esses equipamentos próprios. Para além disso, os líderes de viagem terão 1 KIT primeiros socorros com material suficiente.

Máscaras de uso social:

  • As máscaras sociais devem ser utilizadas sempre que estiver em espaços interiores fechados com múltiplas pessoas (ex. aeroportos, aviões e outros transportes públicos, restaurantes, alojamentos que não sejam de uso exclusivo do grupo, etc.) e espaços exteriores com grande aglomeração de pessoas (ruas, templos, etc.).
  • Deve conhecer e aplicar as recomendações para colocar / retirar a máscara social de forma segura (veja o vídeo explicativo da OMS aqui).

Higienização das mãos:

  • Deve lavar as mãos frequentemente com água e sabão, durante pelo menos 20 segundos ou usar álcool gel, cobrindo todas as superfícies das mãos e esfregando-as até ficarem secas.

Etiqueta respiratória:

  • Sempre que tiver de tossir ou espirrar, deve fazê-lo para o antebraço fletido ou usar um lenço de papel (utilização única), que deve ser imediatamente deitado ao lixo. Quando não existir caixote do lixo nas proximidades (que acontece frequentemente nos países da Ásia para onde fazemos viagens), deve guardar o lenço num pequeno saco completamente fechado dentro da carteira / bolso até que possa o deitar ao lixo.
  • Deve higienizar sempre as mãos após tossir ou espirrar e depois de se assoar;
  • Deve evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos.

Conduta social:

  • Não deve cumprimentar ninguém com apertos de mão e/ou beijos e/ou abraços. Pode fazê-lo como se faz tradicionalmente na Ásia, à distância, com as mãos juntas ao peito em “namastê”;
  • Sempre que possível, deve manter alguma distância social (idealmente 2 metros em ambientes fechados e 1 metro em ambientes abertos);
  • Não deve partilhar auscultadores, telemóveis, computadores portáteis, etc.

Nos transportes:

  • Nos transportes privados terrestres, deve sentar-se sempre no mesmo lugar, deve usar sempre máscara social e cumprir as normas de higienização das mãos e etiqueta respiratória e seguir as regras e protocolos de cada país;
  • Nos transportes públicos terrestres e aéreos, deve usar sempre máscara social e cumprir as normas de higienização das mãos e etiqueta respiratória e seguir as regras e protocolos de cada país;
  • Para além disso, nos comboios noturnos (sempre que estiverem incluídos no programa), deve:
    • Colocar a sua bagagem de baixo do banco;
    • Tirar o calçado de deixá-lo de baixo do banco;
    • Não usar almofada, fronha, toalha, lençóis e cobertor que normalmente são disponibilizados, mas sim o seu saco-cama;
  • As normas de ocupação máxima dos meios de transporte utilizados, são as do país de destino.
  • Deve evitar tocar em objetos desnecessários.

Nos WC públicos:

  • Utilize estes WC’s só em caso de necessidade;
  • Lave as mãos à entrada e à saída. No final da lavagem, deve secar as mãos com papel (utilização única). Como na maioria dos WC’s públicos nos países da Ásia não existe papel disponível, deve secar as mãos com os seus lenços de papel (utilização única). Em alternativa, deve usar álcool gel e esfregar as mãos até secarem;
  • Evite tocar em objetos desnecessários;
  • Quando sair, depois de ter aberto e fechado a porta, use álcool gel para desinfetar as mãos e esfregue-as até secarem.

Nos alojamentos:

  • Quando chegar ao quarto, deve deixar o calçado que usou na rua do lado de fora do quarto (ou numa zona específica à entrada) e usar um calçado de uso exclusivo para dentro do quarto;
  • Se tiver condições para isso, coloque a roupa que pretende voltar a usar ao sol / a arejar;
  • Se lavar roupa à mão, certifique-se que a lava com água o mais quente possível, com sabão ou detergente.
  • Deve dobrar a roupa suja do avesso, de dentro para fora e guardá-la na mala principal, numa divisória à parte, fechada num saco;
  • Deve tomar banho quando chegar ao quarto, caso não esteja prevista outra saída.

Às refeições / alimentação:

  • Quando as refeições forem nos alojamentos, deve sentar-se sempre no mesmo lugar;
  • Não deve partilhar embalagens de comida que seja manipulada com as mãos (ex. snacks, frutos secos);
  • Não deve beber diretamente de garrafas / pacotes / embalagens;
  • Não deve partilhar garrafas, copos, talheres, etc.

Outros:

  • Higienize regularmente o seu telemóvel, relógio, headphones, etc. com toalhetes de limpeza e desinfeção rápida à base de álcool ou outro desinfectante com ação contra o vírus (ação virucida)

Sempre que possível, faça os pagamentos de eventuais compras que faça com cartão de débito ou crédito em vez de dinheiro. Sempre que utilizar dinheiro, as máquinas de pagamento ou um ATM, de seguida higienize as mãos com álcool gel e limpe os cartões com toalhetes de limpeza e desinfeção rápida à base de álcool ou outro desinfectante com ação contra o vírus (ação virucida).

  • Caso durante a viagem suspeite estar contaminado e/ou tenha sintomas como tosse, cansaço, dificuldade em respirar e/ou febre, deve informar imediatamente os líderes de viagem que estão a acompanhar o grupo. Se estiver sozinho no momento (por exemplo no quarto), deverá telefonar para o telemóvel de um dos líderes de viagem que está a acompanhar o grupo. Caso não esteja sozinho, deve pedir à pessoa mais próxima de si – mantendo a distância social de segurança de 2 metros em ambientes fechados e de 1 metro em ambientes abertos – que informe imediatamente um dos líderes de viagem da sua situação. 
  • Deve usar uma máscara cirúrgica, se a sua condição clínica assim o permitir e ficar em isolamento. A máscara deverá ser colocada pelo próprio, que deve verificar se a máscara se encontra bem ajustada. Sempre que a máscara estiver húmida, o próprio deve substituí-la por outra.
  • Será acompanhado pelo líder de viagem designado para uma área de isolamento, preferencialmente com WC para seu uso exclusivo, com acesso ao seu próprio telemóvel, onde ficará até indicações das autoridades de saúde locais sobre como proceder, sendo-lhe prestada toda a assistência que necessitar (incluindo água e alimentação). O acesso à área de “isolamento” fica interditado (excepto ao membro do staff do alojamento ou do líder de viagem designado para prestar assistência).
  • O líder de viagem deve informar imediatamente o responsável da Macro Viagens, o responsável alojamento, transporte, etc… (dependendo do local / situação onde estiverem) e as autoridades locais de saúde. Dependendo da situação, o líder de viagem designado pode informar outras autoridades como embaixada / consulado, hospital mais próximo, assim como a seguradora onde o viajante ou líder de viagem com suspeita de contaminação tenha o seu Seguro de Assistência em Viagem e o contacto de emergência. Caso o viajante tenha condições para o fazer, deve ser o próprio a contactar a Seguradora.
  • Será procedida à limpeza e desinfeção do quarto, das áreas comuns do alojamento e, se for o caso, dos transportes privados utilizados pelo viajante com suspeita de contaminação, especialmente as superfícies frequentemente manuseadas e mais utilizadas pelo mesmo, conforme procedimentos em vigor no país de destino.
  • Serão informados todos os fornecedores de alojamentos, transportes, hotelaria, etc. onde o viajante com suspeita de contaminação esteve anteriormente.
  • O líder de viagem designado irá informar o grupo da existência do caso suspeito ou confirmado e dos procedimentos que serão tomados e manterá o grupo informado de forma clara, calma e concisa, prestando apoio e esclarecendo dúvidas.
  • Não havendo indicação em contrário das autoridades locais, o restante grupo deve fazer a auto-monitorização diária, medindo a febre duas vezes por dia (sempre à mesma hora, uma vez de manhã e outra ao final do dia) e verificando se tem tosse ou dificuldade em respirar. Diariamente todos os membros do grupo devem informar os líderes de viagem do seu estado de saúde, ao pequeno-almoço.
  • Caso haja confirmação de contaminação, serão cumpridos os procedimentos descritos, assim como os das autoridades locais para todo o grupo.

Caso os dois líderes de viagem que acompanham os grupos fiquem ambos com suspeita ou contaminação, existe já identificado um guia local da confiança da organização que passará a acompanhar o grupo. A continuidade ou não da viagem, estará sujeita às medidas tomadas pelas autoridades locais.

Sim, os programas podem sofrer alterações, caso incluam visitas a locais de potencial acrescido risco (ex. favelas) ou surja instabilidade social ou outra circunstância que coloque em causa a segurança, devido a surto COVID-19. Esta análise de risco será feita caso-a-caso, tanto pela pessoa responsável da Macro Viagens como pelos líderes de viagem no terreno, mediante a situação de cada país naquele momento, assim como as recomendações do Governo Local e demais entidades oficiais. Na dúvida, as actividades com um potencial elevado de risco, serão substituídas por outras.

Sim, podem existir medidas diferentes de país para país, que devem ser seguidas e respeitadas. Estas medidas serão transmitidas ao grupo pelos líderes de viagem. Os líderes poderão tomar outras medidas excepcionais, caso avaliem no local que é necessário.

Sim, se viajar com a Macro Viagens para programas no estrangeiro, deverá subscrever um Seguro de Assistência em Viagem adequado para o programa em questão e com cobertura para doenças infecciosas, incluindo COVID-19. Cada viajante é responsável pela activação do seu seguro.

Todos os gastos pessoais derivados de eventual suspeita ou contaminação por COVID-19 durante a viagem, devem ser suportados pelo próprio. A cobertura do Seguro de Assistência em Viagem depende da apólice que subscreveu (deve ler antes e atentamente as condições). Existem países onde, em caso de quarentena obrigatória, as despesas devem ser suportadas pelo próprio. Deve garantir que tem fundos para isso, assim como para eventual novo bilhete de avião de regresso, caso tenha de ficar em quarentena no país de destino mais tempo do que o previsto e a companhia aérea não permita o adiamento do voo.

Claro que sim! Os líderes de viagem e o responsável da Macro Viagens darão sempre apoio aos viajantes em qualquer situação.

Para além dos contactos das autoridades oficiais locais de saúde e segurança, assim como Embaixadas, temos contactos próximos nos países para onde organizamos viagens – cuja cultura e mentalidade  conhecemos bem -, estamos à vontade para resolver qualquer situação da melhor forma possível, para que todos os viajantes regressem sempre a casa em segurança.

Tem dúvidas?

FALE CONNOSCO